Eis uma verdade viajante: o Havaí não combina com chuva.

O que fazer num dia de chuva no Havaí

O estado tem algumas das praias e paisagens naturais mais lindas do planeta, que são anos-luz melhor aproveitadas em dias ensolarados, ou no máximo nublados. O Havaí é solar.

De modo que, quando chove, rola uma melancolia viajante no meu coraçãozinho malla: o visitante não está vendo o Havaí direito, com aquele sol maravilhoso que energiza a paisagem local.

Mas nem sempre São Pedro colabora com a sua viagem. Principalmente se você vem aqui entre dezembro e março, a temporada de chuvas, quando as chances aumentam de que você pegará pelo menos um diazinho molhado. É claro que você pode ainda ir à praia ou surfar, mas… não é a mesma coisa que com sol, né?

Nestes dias de chuva, ao invés de se trancar no hotel, há outras opções interessantes a ser fazer. Deixo aqui minha sugestão de alguns passeios e atividades que já fiz em dias chuvosos em Oahu e que funcionam bem. (E alguns podem ser adaptados para outras ilhas também.)

Visita a museus

Em Oahu, há pelo menos 4 museus que considero excelentes. A maioria deles não é visitada pelo “viajante médio”, que quando chega aqui só quer saber de praia e cachoeira. Mas estes museus são pequenas jóias do estado, que mostram detalhes da cultura havaiana por uma perspectiva bastante diversificada. E que enriquecem bastante qualquer visita ao Havaí.

No Honolulu Museum of Art, você tem a chance de apreciar uma coleção incrível de arte dos países que contornam o Pacífico. A coleção de arte japonesa é espetacular, e minha favorita é a galeria polinésia. O museu é apelidado de “portal do Pacífico”, pela sua importância para a arte da região e pelo tamanho de seu acervo. O prédio do museu é uma fofura à parte, delicioso, cheio de pequenos courtyards temáticos. Vale muito a visita.

Já contei aqui sobre minha visita ao Hawaii State Art Museum, em downtown Honolulu. O museu enfoca a arte moderna e contemporânea havaiana, com artistas havaianos ou aqueles que escolheram o Havaí como residência – se “havaianaram” como dizemos aqui. As peças são muito interessantes, para confrontar com uma outra perspectiva de se viver aqui, no meio do mar.

O museu de ciências da cidade é o Bishop Museum. Mas ele não é um museu só de ciências – engloba artefatos da cultura e costumes havaianos, principalmente dos navegadores ancestrais, e vários deles feitos com dentes de tubarão. Está lá em exposição também a prancha original de madeira que pertencia ao pai do surfe, Duke Kahanamoku.

O Bishop também tem um planetário que mostra como os antigos polinésios se guiavam pelas estrelas para navegar. Uma parte legal é a de volcanologia, em que uma voluntária ensina às crianças a “fazer lava” – quentona mesmo. Muito bacana. É um museu ideal para crianças.

Um museu histórico que considero essencial – mas que poucos turistas vão – é o Palácio ‘Iolani. É o único palácio nos EUA que teve reis e rainhas de verdade governando, na época em que o Havaí era um reino. No palácio, podemos ver as jóias da coroa assim como os diversos ambientes pelo qual a família real circulava e fazia festas. E o mais incrível: o ‘Iolani foi o primeiro prédio oficial dos EUA a ter luz elétrica, antes mesmo da Casa Branca. Isto porque o príncipe da época era muito chegado à tecnologia, e assim que soube que tinham inventado a eletricidade, tratou de pedir para instalar ali no palácio – e ainda se encontra em exposição a lâmpada utilizada no primeiro ambiente iluminado. Incrível.

Show de hula no Ala Moana Mall

A maior parte dos shows de hula acontecem ao ar livre ou em luaus. Entretanto, de segunda à sábado às 13h da tarde, acontece um show gratuito de hula no Ala Moana Mall, com uma apresentação de um grupo de hula local.

O show é muito bem feito, e considero até mais autêntico que alguns que vemos por aí em Waikiki ou em alguns luaus. E como o Ala Moana Mall é aberto, nem parece que você está num shopping center – a iluminação natural (mas com cobertura contra a chuva) dá a sensação de estarmos vendo um show de rua. Não perca – até se não estiver chovendo, vale a pena tirar um diazinho para ver este show.

Compras no Havaí

Eu não sou muito fã de compras em viagens, mas para quem vem querendo pelo menos fazer umas comprinhas “básicas” nos EUA, o Havaí oferece uma boa vantagem: a taxa de compras de apenas 4.6% em Oahu e 4.1% nas demais ilhas.

Enquanto NY, Califórnia e Flórida têm preços e outlets melhores – mas com uma taxa elevada – o Havaí em geral é um pouco mais caro, mas com um imposto sobre compras bem mais razoável. O que torna o destino ideal para comprar produtos que sabemos serem caros e tabelados, como eletrônicos (*Apple*) e boa parte das marcas de griffe. Além do Ala Moana Mall e outros shoppings pela ilha (Pearlridge, Windward Mall, Kahala Mall, etc.), em Waikiki há diversas galerias cobertas.

Ou você pode aproveitar o dia de chuva e comprar os presentinhos para levar pros parentes, as lembrancinhas de viagem, “aquela” prancha de surfe… 😉

Tour gastronômico

O Havaí tem se tornado um destino culinário dos mais interessantes da região pacífica. Cada dia, aparece um novo restaurante ótimo, de modo que fica até difícil estar por dentro de tanta novidade. Já dei diversas dicas de restaurantes aqui no blog, portanto escolha alguns destes para curtir uma refeição mais calma e prazeirosa. Aproveite a chuva para se deliciar com a nova gastronomia havaiana.

Ou, se quiser algo mais organizado, a Hawaii Food Tours faz um tour chamado “Hole-in-the-wall” que acha os melhores points de comidas e bebidas da cidade, explicando detalhes dos sabores mais tradicionais das ilhas.

Dirigir pela H3

De todas as atividades de chuva, acho que esta é a mais sensacional – e minha predileta. A rodovia H3 corta as fantásticas montanhas Ko’olau. Se você fizer o trajeto no sentido Kaneohe-Pearl Harbor em dia de chuva, vai ver ao redor da estrada na subida da montanha um verdadeiro espetáculo natural: uma infinidade de cachoeiras temporárias altíssimas, que a chuva faz aparecer. E quanto mais forte a chuva, melhor!

É uma cena inacreditável de linda. Daquelas que parecem saída de um filme. Me lembra a profusão de cachoeiras da saída do túnel do Milford Sound.

(Dica: o carro não pode parar na H3, pois é uma rodovia de alta velocidade. Uma opção é dirigir um pouco mais devagar para apreciar. Mas a melhor opção é, em Kaneohe, entrar no bairro que fica logo abaixo da H3.)

E ver cachoeiras temporárias, aliás, é uma dica que vale para qualquer ilha havaiana, já que em todas elas há montanhas bem escarpadas que podem formar estas cachoeiras num dia de chuva.

E o que NÃO fazer no Havaí na chuva

Não vá andar muito perto da lava do Kilauea, na Big Island, na chuva. A água que cai do céu em contato com o calor da lava faz com que sejam liberados no ar uma quantidade perigosa de gases tóxicos, inclusive ácido sulfúrico.

Não chegue perto em dia de chuva.

As nuvens formadas durante a chuva não estão apenas no ar, podem sair do solo – resultado da percolação da chuva por onde a lava subterrânea está passando. Estas nuvens podem ser gigantescas e, dependendo da força do vento, podem englobar rapidamente uma pessoa mesmo que não se esteja tão perto. Respirar este gás pode matar uma pessoa. Evite ao máximo esta roubada.

********************

E não esquecer: depois da chuva, vem o arco-íris. 🙂

Tudo de Havaí sempre.