Dezembro é um mês agitadíssimo no Havaí, e um dos responsáveis por este agito todo é a Maratona de Honolulu, que ocorre no segundo domingo do mês. A Maratona de Honolulu é considerada uma das mais importantes dos EUA, a 4a maior em número de participantes (~30.000!) e faz parte do circuito de treinamento dos atletas de elite do atletismo mundial. Gente do mundo inteiro vem para correr pelas ruas da cidade e prestigiar o evento. Os hotéis lotam, os restaurantes ficam completamente cheios e a animação esportiva é contagiante em Waikiki.

Maratona de Honolulu

O percurso da maratona é bem cênico. Começa em Ala Moana, corta o downtown Honolulu, depois passa pelas ruas de Waikiki, sobe contornando o vulcão Diamond Head (considerado o pior trecho da maratona, de subida e quando o sol já começa a aparecer), vai até Hawaii Kai (quase em Hanauma Bay) e volta até Waikiki perto do Zoo, onde fica a linha de chegada.

Para quem como eu não corre nem 1000 metros, ou para quem corre por diversão/realização pessoal – e não para competir – o dia da Maratona é um momento especial de festa. Que começa cedo, mais precisamente às 4 da manhã, quando a multidão começa a se aglomerar na linha de saída em Ala Moana. Todo mundo na cidade fica sabendo quando foi dada a largada da Maratona por um motivo simples: às 5 da matina, ocorre uma gigantesca queima de fogos do ano no Havaí – talvez maior até que o 4 de Julho ou o Réveillon.

Em geral, se tenho algum amigo ou amiga correndo na maratona naquele ano, costumo ir até o parque de madrugada para prestigiar, dar uma força da calçada. E os espero na linha de chegada.   (Não espere vaga para estacionamento – costumo deixar o carro bem longe e andar MUITO. Sapato confortável é fundamental.) Uma galera fica na pipoca do percurso, incentivando os corredores, uma farra só. O que mais gosto de ver são os “times” que correm juntos e a galera que vai fantasiada das coisas mais bizarras possíveis. Como não-corredora, admiro muito mesmo a coragem e a força física e mental dos participantes, e gosto de prestigiá-los.

A segurança no local é super-alta – por causa do ataque na maratona de Boston em 2013, todo o batalhão policial fica em alerta durante o domingo de maratona, por todo o trajeto. Para quem vai assistir, sugiro não levar bolsas porque os policiais interpelam diversas vezes para inspecionar.

Todos os corredores recebem uma camiseta, uma medalha e – estamos no Havaí, né – um lei de conchas. <3

Em geral, à medida que os corredores vão cruzando a linha de chegada e a galera vai dispersando, os restaurantes e barzinhos à beira-mar começam a lotar, com as celebrações diversas dos participantes. Nos anos em que fui, sempre rolava depois da corrida uma rodada especial de cervejas para os amigos vencedores que conseguiram completar o hercúleo trajeto. Alguns bares dão descontos aos maratonistas – vale também ir de bar em bar, vendo onde a festa está mais animada.

Chuveirada pós-maratona para os participantes para aliviar o calor havaiano de dezembro.

De qualquer forma, deixo aqui a dica para quem visita o Havaí em dezembro: não deixe de ver a Maratona. Mesmo que você não conheça ninguém, garanto que vai se contagiar pela animação local, pelo clima de “aloha running” nas ruas da cidade. É diversão gratuita e certeira.

Tudo de bom sempre.

 

Postado em 05/12/2017 por em Esportes, Havaí, Oahu