Nestas últimas semanas, quem tem roubado o noticiário havaiano é Rocky, uma foca-monge fêmea que decidiu dar à luz em plena praia de Kaimana, no canto esquerdo de Waikiki, em frente ao hotel New Otani. Eu estava viajando e não acompanhei o ~evento midiático~ desde o início, mas parece que a pequena foquinha – que já foi batizada de Kaimana – nasceu na manhã do dia 29 de junho. Desde então, a mamãe Rocky tem tomado conta com nadadeiras e dentes da pequena Kaimana (que também é fêmea). A mãe não gosta que ninguém chegue muito perto da filhota, e como animal selvagem, pode atacar sem piedade quem ousa cruzar seu caminho nesse momento delicado da sua vida.

Como a praia de Kaimana é dos pedaços mais mansinhos de Waikiki e super-visitada por famílias com crianças, os voluntários do programa de proteção às focas-monges havaianas tiveram que montar acampamento 24 horas na praia, para proteger as duas focas de serem incomodadas pelos inúmeros turistas e moradores locais que agora frequentam ainda mais aquele pedaço. elo menos 20 metros de distância são necessários entre as pessoas e as focas, para que elas possam ficar tranquilas, sem se sentirem ameaçadas ou estressadas. Que a foca tenha escolhido uma área tão urbana para ter sua bebê, entretanto, dá um pouco de esperança pela sobrevivência da espécie.

Foca-monge de Waikiki

É fundamental que se observe a foca-monge a distância, sem chegar muito perto. E visitação humana tem sido non-stop.

Para quem está hospedado no hotel New Otani, uma oportunidade de ouro de ver da janela do quarto um animal criticamente ameaçado de extinção – só restam menos de 1300 focas-monges havaianas no planeta. Para quem não tem esta sorte, resta o livecam da foca que o Civil Beat colocou – e eu que já amo um livecam de bicho estou aqui grudada nele. Na maior parte do tempo, as duas ficam deitadas na areia, a mãe provavelmente ainda se recuperando do gasto energético que é ter um filho e amamentar. A filhota, enquanto isso, aprende os primeiros passos aquáticos de como se virar em seu novo oceano de oportunidades.

Em geral quando vemos duas focas-monges juntas é melhor sair de perto: ou é nascimento ou briga. Normalmente elas mantém uma distância razoável de suas companheiras de espécie.

As focas-monge são animais solitários (daí a origem do nome, porque vivem como “monges”),  raramente vistas em grupo. Uma das poucas ocasiões para se ver duas focas-monge juntas é quando a mãe dá a luz ao bebê-foca – e nesse caso, ambas ficam juntas por aproximadamente 7 semanas. Depois desse período de amamentação, a mãe foca-monge vai embora para se alimentar e o filhote se torna independente para viver sua vida como quiser sozinho ao redor do Havaí.

E quem sabe aparecer em outro ponto da praia em que nasceu. #TodosTorcem

Por enquanto, até meados de agosto, se você estiver por Oahu, não deixe de dar uma passadinha para ver Rocky e Kaimana, as rainhas deste verão em Waikiki.

Tudo de bom sempre.

Postado em 30/07/2017 por em Animais, Havaí, Oahu