Primeiro de maio nos EUA é May Day – nosso dia do trabalho. E no Havaí, a sonoridade do May Day logo o transformou em… Lei Day, ou seja o Dia Do Lei.

Dia do Lei

Lei do Kamehameha.

Leis são os colares de flores tipicamente havaianos, com os quais as pessoas celebram tudo nas ilhas. Quando um visitante chega no aeroporto ou faz aniversário? Recebe um lei. Formou-se na faculdade? Colares de flores no pescoço. Dia da secretária? Lei para ela. É morador e vai embora do Havaí? Vamos dar tchau com um lei. Dia do Rei Kamehameha? Coloquem metros e metros de colares na estátua! SEMPRE há uma razão para se dar um lei para uma pessoa – e se for uma pessoa querida, mais ainda.

O que é uma lindeza, diga-se de passagem. No aeroporto, então, receber uma pessoa querida com um colar de flores é praticamente dizer: você chegou no paraíso, agora é descansar a mente e abraçar o espírito local. O lei também é uma forma de uma pessoa dizer à outra:  eu tenho carinho por você, consideração, e desejo o melhor sempre na sa vida. O cheiro intoxicante da flor ao redor do pescoço, os estilos variados e intricadamente delicados, o gesto de carinho e afeto pelo outro. Os leis transbordam aloha.

Muitos leis para celebrar quando virei Doutora. 🙂

Eu particularmente a-do-ro receber leis. Meus favoritos são os leis de flor de gengibre e os de pluméria (ou jasmim), por causa do aroma delicioso que exalam. Mas os leis masculinos feitos com sementes de kukui ou com folhas de taro também são super-elegantes. Os de sementes e conchas duram mais, e os mais intricados destes leis são oferecidos em momentos especiais. Para o cabelo, faz-se o haku lei, que é uma tiara de flores, muito usado pelas noivas em casamentos. O maile lei é feito com folhas, se usa aberto, e em geral apenas em ocasiões muito especiais (casamento, homenagens solenes, etc.). No passado, o lei da família real havaiana era especial, feito com flores e penas de aves das ilhas – aves estas que hoje estão ameaçadas de extinção, portanto esta matéria-prima foi substituída.

Lei de recepção no aeroporto para a amiga que veio nos visitar.

Diz a “lei” que um lei precisa ser dado a outra pessoa, não vale comprar e se autocolocar. No Chinatown, há diversas lojinhas pequenas de fazedoras de leis, que costumam ser super-elaborados. Nos supermercados, os leis são mais “pasteurizados” – mas não menos lindos e cheirosos. Para manter a produção de tanto lei por dia no Havaí, há várias fazendas de flores, espalhadas por todas as ilhas.

A efemeridade do lei também é parte da tradição: feito de flores naturais, um lei não dura muito. Alguns dias, no máximo, se você depois de usá-lo, guardá-lo na geladeira em um saco plástico umedecido. Mas mesmo assim, depois de um tempo, o cheiro desaparece e as pétalas começam a cair. Para lembrar a todos que tudo na vida passa… e que a aloha do oferecimento deve ser renovada, a cada nova vitória no nosso dia-a-dia. 🙂

Tudo de leis sempre.

Fazenda de jasmins para confecção de leis, em Molokai.

********************

Um pouco mais de lei…

P.S.: Em 2005, eu contei aqui no blog por que só mulheres podem fazer leis.

P.S.2: A maior parte dos resorts do Havaí oferece também aulas para aprender a fazer lei. Tente aparecer em pelo menos uma – a aula te deixa leve e cheia de aloha.

Aula de fazer lei num resort.

 

  • bigfootpegrande

    Nunca, na minha vida, sonhei que um dia poderia ser recebido nesse local paradisíaco com um belo lei de flores lindas e perfumadas… Foi realmente um dos recordistas na razão surpresa e satisfação… Aloha!