1) Há uma grande movimentação na blogosfera de ciência pra mostrar o quão normal e “humana” a vida de um cientista é. Basicamente, para quebrar o estereótipo irreal (pra não dizer surreal…) da torre de marfim, do fulano de jaleco branco e óculos de aro grosso. Esse movimento, chamado #IAmScience (que virou tumblr), começou com o Kevin Zelnio, que desabafou sua trajetória num post fantástico. Vários blogs de ciência pegaram a mesma onda, inclusive Jessica Ball do sempre excelente Magma Cum Laude, que escreveu um post super-simpático de como é a vida real de uma geóloga. Várias salvas de palmas a todos os cientistas que, com seus exemplos, abrem esta inacreditável caixa de Pandora para todos. Aos interessados, contei um pouco da minha trajetória científica há alguns anos, na série Rodando na Ciência.

2) Enquanto isso, na blogosfera brazuca, o Eduardo Bessa deu um twist-duplo-carpado na idéia do #IAmScience pro lado da biologia e começou uma série super-legal para mostrar que a carreira de biólogo vai muito além do estereótipo de “dar aulas”. E já apareceram por lá biólogo-consultor ambiental, bióloga-advogada e bióloga-analista microbiológica. (Vem mais por lá, fiquem ligados.) Eu acho que dar aulas é super-importante e válido, mas o que o Bessa está fazendo é fundamental: mostrar que não é só isso. Estraçalhar essa visão simplista de biólogo que muita gente ainda tem. Há problemas na carreira? – mas qual carreira não tem, me contem?

3) Falando em carreiras, o Catatau vem observando os concursos de psicologia – e faz análises contundentes.

4) O Boing Boing comenta sobre a bizarrice do Federal Reserve agora ter conta no twitter.

5) Trava-se no momento uma pequena batalha nos EUA para banir a escova progressiva, por conter formaldeído, que é um químico bastante tóxico e comprovado carcinogênico. Mesmo os produtos que dizem “não conter formol” – bem, contém sim, que o FDA testou e reprovou. Não sei em que pé essa questão está no Brasil, mas como os fabricantes dos produtos em questão são brasileiros, imagino que já-já essa batalha chega pelas terras tupiniquins…

6) E falando em beleza, o Rafael mostrou o caminho da perdição: as jóias dendríticas de Alexander Davis. Inspiradas em temáticas biológicas. Precisa dizer mais? Lindíssimas! #morri

7) Quem é rei (de blogagem), nunca perde a majestade

8) Melhor post que eu li este ano sobre o dia da Água. Do Sakamoto, claro.

9) O blog literalmente viajandão Expeditions está visitando e blogando direto do Chagos, o maior parque marinho do mundo. A série de posts do dia-a-dia da pesquisa e da expedição é toda deliciosa.

10) Chris Rowan leva a gente para um passeio pela ponta norte da Big Island, aqui no Havaí, e explica tintim por tintim a diferença brutal da geografia em poucos quilômetros de distância. Aliás, falando em Big Island, a última casa que existia na região do Kohala foi-se. O Kilauea mostra mais uma vez quem é que “manda” por aquelas bandas…

11) Xará is on fire contra a ICAR, Inc.!

12) Nota de falecimento: a árvore mais velha da Flórida morreu. De overdose, pra deixar a gente com mais cara de descrédito na humanidade ainda.

13) Os celulares estão ajudando a rastrear a diáspora que aconteceu após o terremoto de Christchurch, Nova Zelândia – e eu imagino que o mesmo tipo de dado possa ser gerado pra outros acidentes naturais, como os tsunamis. Tecnologia em serviço.

14) Frank Pope conversou com Dr. Giam Choo-Hoo, também conhecido como o “Poderoso Chefão das Barbatanas de Tubarão”. Ele controla boa parte do mercado de barbatanas na Ásia, e detém o cargo mais-que-poderoso de membro do Comitê da ONU sobre o Mercado de Espécies Ameaçadas. Botaram a raposa pra cuidar do galinheiro, basicamente. Que deprê. (Via Wetpixel.)

15) Falando em tubarões, dicas para as crianças: como fazer mandíbulas de tubarão com pratos de papel e o livro infantil para iPad do Sparky, the Shark.

16) Nova Iorque para jazzistas e jazzófilos, por quem profundamente entende de jazz.

17) A Mari Campos “Aqaba” com a gente: fez a viagem dos meus sonhos – um cruzeiro pelo Atlântico Sul passando pela Ilha de Santa Helena (onde Napoleão foi exilado) e terminando em Walvis Bay, na Namíbia. E com direito a passeio pelo deserto que não-conheço-mas-já-considero-o-mais-lindo-do-planeta. E contou tudo pelo twitter, facebook e no blog dela. Pra recortar, colar, guardar, babar e reler sempre. #Swakopmundforever #Namíbiarocks

18) Em outra viagem espetacular, a Luisa contou tudo sobre sua visita ao Ice Hotel da Suécia. Ela não curtiu muito, mas eu confesso que depois dos conselhos dela, aí que fiquei com mais vontade ainda… #ursopolarfeelings

19) E na sequência das viagens maravilhosas que eu adoraria fazer, vi lá no VnV e tive que estrelar no meu GReader: o Tiago Caramuru foi para Seychelles. É cada praia tão linda que dá vontade de comprar uma passagem e mochilar por lá agora.

20) Vi lá no Maracatu: o Google  StreetView agora também tem SeaView. O projeto está começando, por enquanto poucas imagens, mas já dá pra mergulhar pela Grande Barreira de Corais. Pra viajar muitas horas…

21) Cortes no orçamento da pesquisa científica marinha: até quando?

22) Uma cidade sem ruas. E não é Veneza.

23) Muito prazer, Seu Germano!

24) Uma doce crônica de viagem sobre os conhecidos desconhecidos das estradas da vida.

25) Tudo de silêncio sempre. [ou John Cage was right.]