Como muitas outras pessoas pela web, eu também lamentei muito a transformação para pior que o Google Reader sofreu nesta semana. Aquele que foi meu leitor RSS por muitos anos, onde compartilhava os textos bacanas e interessantes que lia pela web, continua existindo, mas sem a capacidade de compartilhamento e conversa, que é a parte fundamental do que é a internet para mim. Meus feeds, entretanto, estão no aguardo de uma ferramenta gratuita mais bacana que com certeza surgirá – o mundo é dos criativos, lembre-se.

Enquanto esse dia não chega, vou (ainda) usando o GReader só pra ler. E estrelando os artigos que gosto – ou seja eles continuam agregados, agora egoisticamente. Nesta semana de mudança da rotina internética, testei diversas alternativas para compartilhar, e não gostei de nenhuma. Seguir o que o Google quer que façamos, que é postar os links do GReader no Google+, é muito ruim. Por um motivo simples: eu não gosto de entupir a timeline dos meus amigos com links individuais, porque não gosto que entupam a minha. E é isso que termina acontecendo no G+. No GReader, minhas linkagens ficavam agregadas num raminho da grande árvore da linkania de cada um que me seguia, e vice-versa. Assim os amigos podiam subir naquele galho quando e se quisessem, sem atrapalhar o crescimento deles por outros cantos. (E sem precisar scroll down um quilômetro para conseguir ver tudo que foi shared pelo amigo.)

Twitter também não dá, porque ali é dispersador, não agregador; a conversa é diferente, muito mais imediatista e acelerada. Postar no Facebook padece do mesmo problema do G+: floodar a timeline alheia. Então me sobra, assim como a Camila, voltar às raízes blogueiras e implantar um sistema de compartilhamento aqui no blog mesmo.

Que eu já tenho, aliás. Chama-se “Pequenas anotações de viagens virtuais”, uma categoria de posts onde deixo links que achei interessantes pelas esquinas da web. Andou meio desaparecido esse tipo de post, mas acho que agora, na era pós-Google Reader, é ele que satisfará melhor minha alegria de compartilhar viagens, idéias, diversão e reflexão.

Pretendo pelo menos uma vez a cada 15-20 dias juntar todos os links estrelados no GReader num post. Isso não significa que não salpicarei um link ali outro acolá por outras esquinas da rede (Facebook e Twitter, principalmente). Apenas que aqui os agregarei enquanto outro Feed Boteco não vem.

To The Brotherhood of Sharedom, tintim. Eles sabem quem são. ;)

*****************

1) Honolulu foi eleita a cidade mais digital dos EUA. Um aloha especial à esta cidade tão acolhedora e adorável! :)

2) O MauOscar postou umas fotos do bizarro Halloween com neve que rolou na costa leste – o “Hallowinter” – depois da nevasca sem fim que os assolou. A paisagem ficou lindíssima, com toques de abóbora e branco.

3) Um guia gastronômico de Seul. Hmmm, me deu uma saudade de comer jeon!

4) O codinomado “trio elétrico” – JB, Carla e Paulinho – foram aprontar em Los Roques. O JB postou tudo lá no blog dele, num passo a passo nota 10 para conhecer o lugar. Corre lá pra querer invadir a tela do computador com aquela cor de mar!

5) Orac destrincha a parte médica da patologia de Steve Jobs e, de quebra, mostra o quanto ele usou e abusou da medicina personalizada (que, se acredita nos círculos médicos, será o futuro da Medicina). Muito interessante.

6) Uma ótima compilação realista do Dot Earth sobre a ambição ambiental nossa de cada dia.

7) O The MolBio Hut está convocando os biólogos moleculares blogueiros a contarem um pouco em foram de post em inglês seus artigos já publicados. Os que postarem, concorrerão a um gift card da Amazon de 25 dólares.

8) Um grupo de pesquisadores da Universidade da Virgínia sugere que a poluição esteja piorando e intensificando a força dos ciclones tropicais. O grupo estudou especificamente os ciclones asiáticos. O estudo saiu na Nature desta semana.

9) Os 14 parques e jardins botânicos mais legais do mundo. Deu vontade imediata de conhecer o  Garden of Cosmic Speculation, na Escócia, e seu traçado todo científico-fractalizado.

10) Na Galeria Uffizzi em Florença, os cegos agora podem também apreciar a arte. Uma iniciativa sensacional, vocês não acham?

11) Tudo de bom sempre.