Riva Del Garda, a jóia do fim do lago.

Em abril do ano passado eu tive o prazer de visitar o amigo Flavio Prada em Riva Del Garda, norte da Itália. O Flávio é aquela pessoa irreverente que já conhecemos na blogosfera – e na vida real ele é das pessoas mais bacanas que existem. Ficamos hospedados em sua casa, comemos uma incrível macarronada cuja massa foi feita por ele e sua esposa, e de quebra, ele fez um tour com a gente pela região do Trento, cheia de montanhas e lagos lindíssimos.

Se você procurar Riva Del Garda no mapa, aliás, encontrará a cidade na pontinha superior do lago Del Garda. A estrada para chegar até lá já é maravilhosa, entre o lago e um paredão rochoso coberto de neve no topo e com casinhas e prédios antigos inspiradores de romance. É um “Uau!” atrás do outro. Na cidade, inúmeras pequenas chácaras com pés de azeitona, garantia de azeite de primeira a poucos quarteirões.

Mas o que realmente me impressionou em Riva não foi nem o azeite nem o bucolismo delicioso de cidade interiorana na Itália. O que me impressionou mais foi a máquina de venda de leite.

Assim que chegamos, o Flávio falou que precisava comprar leite. Achei que ele ia ao supermercado ou à padaria. Aí ele pára num local que mais parecia um ponto de ônibus com uma vending machine ao fundo, na área central da cidade. Eu não estava entendendo nada.

Aí ele põe o dinheiro na máquina, pega uma garrafa de plástico vazia limpa.

A máquina de leite

Depois posiciona a garrafa embaixo de uma “torneirinha”…

… aperta o botão, e sai… leite fresco, tirado da vaca. Mesmo.

A máquina de leite

Pois é. A máquina faz até “muuuu” pra você se sentir mais “ambientado”. O Flávio me explicou então que a máquina é abastecida diariamente com leite fresco que os produtores locais trazem de suas fazendas e sítios, tudo ali nas redondezas de Riva. Ou seja, leite fresco local, 100% natural, cujo gasto com transporte é irrisório – o que já torna a alternativa muito mais “verde” que qualquer leite vendido no supermercado, por mais saudável que seja. E, de acordo com o Flavio, é o leite preferido dos habitantes de Riva.

Eu fiquei empolgadíssima com a idéia de eliminar o trânsito do alimento, um passo importante para a melhor sustentabilidade de um produto – queria comprar leite toda hora, mas o Flávio só precisava mesmo de 2 litros pro café da manhã da família. E pedi a ele para, assim que desse, filmar a “invenção” pra gente postar no Faça, como um exemplo de uso da tecnologia para uma melhor qualidade de vida da população, pela oportunidade de alimentação natural fresca, e com um pouco mais de sustentabilidade (eita, palavrinha da moda…), incentivo ao produtor e à produção local.

Eis então o vídeo que o Flavio Prada produziu (com narração do próprio e participação do Júlio Prada), contando melhor sobre a ecoleiteira:

Não é bacana? Me deu até vontade de tomar um leitinho com chocolate agora…

Tudo de latte fresco sempre.

  • Chris Pessoa

    Nossa! Muito interessante!

  • Ana Paula Medeiros

    Caramba, adorei essa ideia. Melhor mesmo só se o cidadão puder trazer o seu próprio recipiente, em vez de sempre ter que comprar mais uma garrafa de plástico.

  • Maria Rê

    Sensacional, Lucia!
    Leite cru, direto do produtor, reutilizando embalagens…
    Adorei a ideia, queria muito uma dessas por aqui.
    Parabéns aos videomakers tb! 😉

  • Alline

    Ana, nao sei em Riva del Garda como é o esquema das garrafinhas, mas aqui em Milao vc pode levar tua propria garrafa…
    pelo menos assim me foi dito, nao dou 100% de certeza pq nunca comprei leite fresco assim (eu nao tomo leite, hehe).
    Lu, eu estou trabalhando com sustentabilidade aqui e tem uns projetos muito bacanas tendo como objetivo principal “encurtar” ao maximo a questao do transporte dos produtos.
    Bjo

  • Leila

    Adorei o vídeo do Flávio, ainda mais com o “replay” e o fundo musical de sambinha…
    Leite fresco é uma delícia, mas só tomei duas vezes na vida, no Brasil.

  • ernesto

    Grande ideia
    Posso dar mais uma ? porque não fazer escovas de dente onde se troquem apenas as cerdas? Eu acho um disperdicio completo trocar uma escolva completa e jogar fora o cabo, quando o que se precisa como novo e apenas a cabeça da escova.Pode ser algo como uma lamina de barbeear, onde se troca apenas a lamina, e o cabo e reutilizado. Pense nas toneladas de plastico que sao disperidiçados e voce vai ver que podemos fazer algo pelo meio ambiente!

  • Carol Wieser

    Genial!!
    Leite sustentável (em ambos os sentidos)!!
    Será que iria funcionar no Brasil? Tenho minhas dúvidas, mas acho a idéia perfeita!
    🙂
    Abs

  • Chris, bacana, né?
    Ana, o Flavio no vídeo mostra exatamente isso, q ele usa garrafas q ele já tem em casa. Economiza $$$ e diminui o gasto de plástico. 🙂
    Maria Rê, se aqui no Havaí tivesse vacas de produção leiteira, eu tb queria uma dessas pertinho de casa…
    Alline, tem q tomar leite pra ficar forte de vitamina B12. #conselhosdamamãemalla
    Leila, a trilha sonora é um capítulo à parte nas maluquices do Flavio… 😀
    Ernesto, uma ótima idéia tb! Pq é um desperdício mesmo, jogar toda a escova fora.
    Carol, a indústria do leite é a maior barreira. Se passar por ela, acho q funcionaria sim…
    Beijos a todos.

  • Robson

    Muito bacana mesmo.
    Fazendo uma detenção do vandalismo, poderia ser implementado em vários locais do Brasil…

  • Tatiane

    Amo, amo, amo! Mil vezes amo Riva del Garda, Sirmione, totalizando Garda see! Um dos lugares mais lindos e fascinante que já tive. Doi no peito quando lembro de lá.
    Abraços

  • Tatiane, o lago de Garda é um lugar onde quero voltar com bem mais calma, ficar um tempo maior pra curtir – e quem sabe até dar uns mergulhos por lá… 😉