A rave das jamantas

Há muitos milênios, eu conversei com o Manoel Lemos no twitter sobre o mergulho com as arraias-jamanta em Kona, no Havaí. Ele me mostrou um vídeo bem interessante que fizera sobre tal aventura, onde você pode sentir um pouquinho como é estar perto dessas delicadezas lindas.

E eis que recentemente, um projeto de lei que protegerá as jamantas havaianas passou pela Assembléia dos Deputados e já está a caminho do Senado para aprovação final. Se virar lei, a jamanta será mais um animal protegido aqui nas ilhas, o que é animador para a espécie. Tim Clark, zoólogo da Universidade do Hawaii, vem acompanhando o processo de proteção destes animais de perto, via sua ONG Save the Mantas.

A jamanta é um peixe cartilaginoso, parente dos tubarões, considerado, pela Lista Vermelha da IUCN, como “ameaçado” (near threatened) e já se identificou aqui na região de Kona uma população fixa de cerca de 150 indivíduos. Aproveitando-se desse número, muitas operadoras em Kona vendem o mergulho com as jamantas – porque boa parte delas está ali, na costa de Kona. O mais comum é ser um mergulho noturno, a 11 metros de profundidade, onde são colocados holofotes no fundo – embora o Manoel tenha visto durante o dia, o que também não é tão difícil por ali. As luzes acesas à noite atraem o plâncton, que é o alimento da jamanta. Com isso, as jamantas chegam e e ficam se alimentando na frente dos mergulhadores. Como há muito plâncton, outros animais também costumam se aproveitar do banquete.

Fiz esse mergulho noturno psicodélico em 2006, e achei extremamente viajandão. Por motivos não-relacionados à jamanta, entenda-se. Como é uma diversão “famosinha” em Kona, várias operadoras de mergulho vão para o mesmo local, uma baía em frente ao aeroporto da cidade, onde o circo holofote é montado. Pode-se mergulhar com tanque ou snorkellar apenas, porque não é muito fundo. À noite, no local, eram mais de 60 pessoas embaixo d’água, ajoelhadas, com aquelas roupas coloridas de neoprene e lanternas potentes na mão. Bolhas para todos os lados. Tantos fachos de luz me deram a sensação de estar numa rave submersa e consegui em meu cérebro até imaginar um techno music tocando de fundo. Fica todo mundo esperando até as atrizes principais da noite chegarem. Quando elas chegam… é um delírio total. Porque elas praticamente dançam um balé na nossa frente. Difícil não se impressionar com o animal.

Agora, todos os fachos tentam acompanhar os movimentos do animal, e é um tal de mexe pra lá, mexe pra cá, gente se atropelando para ver melhor… a jamanta é atraída pelas luzes, e embora não seja permitido tocar no animal, muitas vezes é inevitável que ele toque em você, tamanha a mistura de gente e mantas por ali. É muito divertido, apesar do monte de gente. Porque a jamanta é tão dócil que parece adorar aquele interesse todo nela e fica rodando pra lá e pra cá, se alimentando e delicadamente se movimentando, num balé subaquático inesquecível.

A maioria das pessoas com quem conversei saiu da água em estado de êxtase. Um pouco mais conscientes da delicadeza do animal, de sua biologia e importância na cadeia alimentar. Portanto, acho válido que haja mergulhos assim: é uma boa forma de educação ambiental.

E eu, por outro lado, não vejo a hora de encontrá-las de novo, em sua fenomenal dança sub.

Tudo de bom sempre.

  • Manoel Lemos

    Lucia, este foi sim o melhor e mais marcante mergulho de minha vida. Na realidade dois mergulhos, um mais cedo (ainda escurecendo) quando pudemos ver as mantas de longe e um a noite (como você descreveu). Simplesmente indescritível e inesquecível. E as moreiazinhas estavam sim por lá… chegam a se enrolar em você!!!

  • Andre Bittencourt Martins

    Oi Lucia, estou indo na semana que vem para Oaho, depois Maui e finalizando em Big Island. Voce tem alguma dica de operadora para o night dive com as mantas? Obrigadao. Abs,

    • Oi Andre, eu costumo indicar a Kona Honu Divers, que tem uma operação bem profissional, ou a Jack’s Diving Locker, que também é boa.

  • Andre Bittencourt Martins

    Lucia, voce ja fez o Black Water Dive em Kona? Abs, Andre.

    • Oi Andre, o Andre meu marido já fez, sim! Ele amou e é super-tranquilo, de acordo com ele. Estou pra fazer em breve. Aloha!

      • Andre Bittencourt Martins

        Lucia, acabou que nao deu para fazer o Black Water mas nao perdi o Manta Ray que eh sensacional! Muito obrigado por todas as dicas. Aloha!

        • Ah, que legal que vc curtiu o mergulho com as mantas, Andre!!! É demais, né? Aloha! 🙂

  • Marcela Vianna

    Lúcia, sabe se pra snorkel tem que ser obrigatoriamente via empresa ou pode simplesmente ir???

    • Marcela, o local onde as jamantas ficam não é tããão perto assim da costa… eu diria que não dá, principalmente porque a costa da baía onde elas frequentam é toda rochosa, não tem praia com areia. Precisa chegar de barco lá.

  • Beth

    Oi Lucia,
    Adoro seu blog, ele está sendo muito útil para planejarmos a lua de mel no havai ano que vem! Estou só com uma dúvida quanto ao mergulho com as mantas…vc sabe se precisa ter certificado avançado ou se o scuba diver open water já é suficiente?
    Obrigada!

    • Oi Beth, para o mergulho com as jamantas não precisa de curso avançado, não… só o open water já é suficiente, é um mergulho super-tranquilo, a 11m de profundidade apenas. Aloha!

  • Alexandre Meira

    Ola Lucia, eles oferecem todo o equipamento para o mergulho se eu tiver o curso de ope water pelo menos?

    • Oi Alexandre, oferecem, sim – mas cobram um extra pelo equipamento. Dá uma olhada no site da operadora pra ver direitinho quanto é esse extra. Aloha!