Arredores de Hilo: o Jardim BotânicoComo disse no post passado, Hilo é uma cidadezinha pacata, sem muitas atrações turísticas de destaque. São seus arredores que realmente fazem você ficar embasbacado, e vou dedicar alguns posts a lugares que valem a pena ser relembrados. Um dos destaques é o Jardim Botânico Tropical.

Jardins botânicos não são tão diferentes uns dos outros a meu ver: sempre um arsenal de plantas maravilhosas dos lugares mais exóticos imagináveis misturadas à exemplos da vegetação da própria região que não é menos maravilhosa. (Plantas são lindas, e eu sou suspeita para fazer qualquer julgamento, pois as adoro.) O Jardim Botânico do Havaí não é diferente. Mas há algumas “ênfases” interessantes, como uma variedade imensa de helicônias, orquídeas e figueiras, além de uma cachoeira natural, a Onomea Falls. Mas talvez o mais diferente de tudo seja a localização do Jardim Botânico, na Baía de Onomea, uma reentrância escondida numa ravina lindíssima. Passeamos durante uma tarde pelo Jardim Botânico debaixo de intensa garoa, e na baía que de vez em quando aparecia por entre as árvores, estavam baleias jubarte e golfinhos fazendo festa perto das ondas furiosas que quebravam com força nas rochas vulcânicas. Um belo e delicioso passeio, em mais uma das surpresas de Hilo.


 A baía de Onomea (o Jardim Botânico fica em suas encostas), e abaixo, a cachoeira de Onomea, dentro do Jardim Botânico.


 “Diz a lenda que em algum momento do passado, a tribo havaiana de Kahali’i morava na baía de Onomea. Um dia, o chefe da tribo avistou embarcações se aproximando da área e pensou que estavam sendo atacados. Imediatamente, reuniu-se um conselho tribal, e decidiu-se construir uma proteção. Entretanto, vendo que a construção não seria terminada a tempo, o chefe pediu que dois jovens enamorados fossem oferecidos aos deuses numa noite em que ninguém ousasse sair de casa. E assim os havaianos de Kahali’i fizeram. No dia seguinte, ao acordarem, descobriram que o casal de apaixonados havia se transformado em uma rocha, protegendo a baía para todo o sempre.” (Retirado da placa que está na foto.) Bonitinha a história, né? Abaixo, a foto da estrada cênica que leva ao Jardim Botânico.

Eis aqui algumas fotos das belezas que vimos por lá. Acho que dessa vez elas falam mais que as minhas palavras. Plantas não são realmente maravilhosas? Viva os cloroplastos!

Tudo de bom sempre.